Gente das Vertentes

Ronaldo Simões Coelho

publicado: 26/01/2021 13h28, última modificação: 26/01/2021 13h28

Médico por formação e autor de livros devido o seu encantamento pela leitura, Ronaldo Simões Coelho conseguiu reconhecimento das duas áreas que sonhava atuar, desde criança. Conheça a trajetória desse são-joanense. 

Coelho nasceu em 16 de abril de 1932, em São João del-Rei. Membro de uma família numerosa, ele era o sexto herdeiro de um casal que teve sete filhos. O clã Coelho divida os seus dias entre o local de nascimento que Ronaldo nasceu e a cidade de Prados. O futuro autor, em muitas entrevistas, relatou sobre as temporadas que passou em Prados quando era criança.

O interesse pela literatura começou muito cedo na vida de Ronaldo. A família Coelho morava próxima à Biblioteca Municipal de São João del-Rei. Com isso, ainda garoto ele frequentou muito a instituição. Além da biblioteca da cidade, em sua casa havia muitos livros, esse fato também ajudou a despertar a atenção do garoto pelo mundo literário. Inclusive, ele escreveu a sua primeira história aos sete anos de idade. O texto nunca chegou a ser publicado.

Anos depois, Ronaldo ainda contou que a fundação são-joanense também foi fundamental para a sua formação enquanto médico. Pois ali, ele tinha acesso a títulos raros sobre medicina. Desde criança, ele sonhava em seguir carreira como profissional da saúde e também como escritor.

Durante a infância ainda em sua terra natal, Ronaldo estudou no Colégio Instituto Padre Machado e no Colégio Santo Antônio. Em 1950, aos 18 anos, ele se mudou para Belo Horizonte e frequentou a unidade belo-horizontina do Colégio Santo Antônio. Ainda nos anos de 1950, ele passou no vestibular para medicina na Universidade Federal de Minas Gerais. Ao final de sua graduação, Ronaldo se especializou em psiquiatria.

Como médico, Ronaldo trabalhou voltado para o público adulto. Com mais de 50 anos dedicados a psiquiatria, ele se tornou uma referência na área. Ele voltou o seu trabalho para combater à violência que vigoravam nos hospitais psiquiátricos em Minas Gerais. Tendo inclusive participado do encerramento das atividades do Hospital Colônia, em Barbacena.

Coelho, junto a outros profissionais propôs um novo modelo de hospitais psiquiátricos para o país garantindo um tratamento humanitário para os pacientes. Na década de 1970, ele atuou como supervisor da psiquiatria Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social (Inamps). Durante a sua estadia no Inamps, ele recebeu um dos grandes nomes da filosofia europeia Michel Foucault.

O sonho de infância de se tornar escritor e a paixão pelos livros levaram Ronaldo a criar o hábito de contar história para os seus sete filhos. A partir dessa brincadeira de criar aventuras, e procurando por livros para o público infantil, ele acreditava que muitos títulos eram impróprios para as crianças. Com isso, ele passou a também escrever histórias.

O primeiro livro escrito por ele foi uma fábula e narrava às aventuras de um gaudério que botava ovos no ninho de um tico-tico. Em uma entrevista no ano de 2012, Ronaldo contou que até aquele momento, essa história não tinha sido publicada. O primeiro título publicado por ele foi “Dois embaixo e um em cima”. A obra abordava a amizade entre alguns garotos e um macaco que estava ameaçado de extinção. O livro foi lançado no início da década de 1970.

Em meio século de escritor, Ronaldo Simões Coelho escreveu mais de 60 obras dedicadas ao público infanto-juvenil. Nesses 50 anos, o autor teve títulos lançados também em outros países e alguns deles ganharam títulos. A obra “Macaquinho” teve uma grande repercussão, tendo sido distribuída gratuitamente no México e na Bolívia através do governo desses dois países. Ao longo de sua carreira como autor, Ronaldo também teve outros tipos de reconhecimento como a recomendação dos seus títulos pela Biblioteca Internacional de Munique, na Alemanha. Em sua terra natal, ele foi homenageado na 11ª edição do Festival de Leitura de São João del-Rei e Tiradentes (FELIT).

Aos 88 anos de idade, Ronaldo Simões Coelho faleceu, em 27 de dezembro de 2020, em Belo Horizonte, deixando sete filhos e sete netos. Coelho morreu em decorrência de uma parada cardiorrespiratória, consequente da infecção pulmonar. O velório foi restrito a família e seu corpo foi cremado. As cinzas foram levadas para um Ouro Preto.

Referência:

https://ftd.com.br/noticias/entrevista-ronaldo-simoes-coelho-macaquinho-2/

https://www.hojeemdia.com.br/almanaque/morre-aos-88-anos-o-psiquiatra-e-escritor-ronaldo-sim%C3%B5es-coelho-1.817937

https://www.hojeemdia.com.br/almanaque/com-mais-de-60-livros-ronaldo-sim%C3%B5es-coelho-fala-sobre-a-literatura-infantil-1.562997

https://www.uai.com.br/app/noticia/artes-e-livros/2020/12/27/noticias-artes-e-livros,266422/morre-aos-88-anos-o-escritor-mineiro-ronaldo-simoes-coelho.shtml