Gente das vertentes

Dom Delfim Ribeiro Guedes

publicado: 26/11/2019 16h35, última modificação: 26/11/2019 16h35

A personagem do Gente das Vertente de novembro, se tornou uma personalidade em São João del-Rei e região após mais de cinquenta anos se dedicando a Igreja católica e a comunidade. Durante esse período esteve envolvido na criação e desenvolvimento de diferentes instituições e obras que alcançaram e ajudaram muitas pessoas. Dom Delfim Ribeiro foi por muitos anos o responsável por comandar e organizar a diocese do município.

Nascido em 02 de maio de 1908 na cidade de Maria da Fé, município localizado na Serra da Mantiqueira, Dom Delfim era filho de Lucas Evangelista Guedes e Amélia Ribeiro Guedes. Nascido e criado em uma família muito ligada a obras religiosas, ele sempre esteve envolvido com a Igreja e suas causas e escolheu continuar a trilhar esse caminho.

No início dos anos 20, Dom Delfim deu início aos seus estudos no Seminário em Pouso Alegre. Em 1925, quatro anos antes da formação do Vaticano, se mudou para Roma onde, seis anos depois, obteve o título de doutor em Teologia e Filosofia pela Universidade Gregoriana.

De volta ao Brasil, o início de suas atividades apostolares foi na cidade de Itajubá, na cidade ele foi pároco de Soledade de Itajubá. Posteriormente ele voltaria para o seu município natal, onde assumiria funções sacerdotais e acadêmicas. Em 26 de junho de 1943, Dom Delfim se tornou o primeiro Bispo de Leopoldina, cargo que ocupou por 17 anos ele. Durante esse tempo ele estruturou asilos, casas de caridade, escolas, congressos eucarísticos e obras assistenciais. Por seus feitos no munícipio mineiro recebeu, em agosto de 1981, o título de cidadão leopoldinense em sessão solene na Câmara Municipal da cidade.

Em junho 1960, o Papa João XXIII criou a Diocese de São João del-Rei e no mês de julho, Dom Delfino foi transferido de Leopoldina e nomeado para ser o primeiro Bispo de São João del-Rei.

Enquanto estava à frente da diocese de São João del-Rei, ficou encarregado de algumas das seguintes realizações na cidade e na região: organização da Cúria Diocesana; construção do Mosteiro São José; doação do terreno da diocese para a Associação de Pais e Amigos Excepcionais (APAE); fundação da Fraternidade Coração de Maria, em Tiradentes, dentre outras. Dom Delfin ainda foi um dos membros da Academia de Letras de São João del-Rei, tendo, inclusive, sido homenageado em sessão solene no Salão Nobre da Prefeitura da cidade, em 18 de outubro de 1981.

Ao atingir a idade de 75 anos que Dom Delfim, seguindo o estipulado pelo novo Direito Canônico, renunciou ao governo da Diocese são-joanense. O pedido foi acatado pelo Papa João Paulo II no final de 1983. Com isso, Dom Delfim tornou-se vacante a Sé Episcopal.

No dia, 23 de fevereiro de 1985, Dom Delfim Ribeiro Guedes faleceu em São João del-Rei.

Por Brenda Guerra e Isabela Castro