Gente das Vertentes

Maria Stella Neves Vale

publicado: 13/09/2019 10h15, última modificação: 25/09/2019 10h39

Uma vida dedicada ao cenário musical são-joanense. Assim pode ser definida a personagem deste mês do Gente das Vertentes. Conhecida por seus trabalhos no ensino da música e pela criação do Memorial Dom Lucas, Maria Stella Neves Valle foi regente da Orquestra Ribeiro Bastos e benfeitora de São João del-Rei, doadora do casarão que sedia o Centro de Referência Musicológica Prof. José Maria (CEREM) e da maior parte de seu acervo musical.

Nascida no dia 17 de junho de 1928, Maria Stella era filha do bibliotecário, professor de música e regente de orquestra, Telêmaco Victor Neves, e da professora primária, Margarida Alacoque Moreira Neves. Criada junto a outros nove irmãos – entre eles o Cardeal D. Lucas Moreira Neves e o Dr. José Maria Neves –, a musicista herdou de sua mãe o amor pelo ensino e, do pai, o talento musical: características que iriam refletir por todo o seu legado.

As condições financeiras da família impediram a jovem Maria Stella de seguir adiante com sua educação formal, interrompendo os estudos na oitava série do ensino básico. Apesar disso, nunca lhe negaram o ensino das melodias, que sempre esteve presente em sua vida.

Desde criança, ela e os irmãos tiveram aulas de música. Enquanto alguns não seguiram carreira, Maria Stella entrou para a Orquestra Ribeiro Bastos com 13 anos, sob a regência de seu próprio pai.

Apenas depois de casada, já em 1959, com 31 anos de idade, a maestrina voltou a estudar formando-se pelo ensino supletivo, fazendo magistério e, logo em seguida, a faculdade. Daí em diante seguiu uma ampla vida acadêmica, formando-se em Pedagogia, Filosofia e Psicologia pela Faculdade Dom Bosco (atual UFSJ) – e em Canto e Educação Musical pelo Conservatório de Música do Rio de Janeiro.

Com os títulos em mãos, tornou-se professora de música. Primeiro em casa, como ajudante do pai, depois como substituta no Conservatório Estadual de São João del-Rei e, por fim, em 1964, como professora licenciada e vice-diretora da instituição.

Maria Stella regendo a Orquestra Ribeiro Bastos na Igreja de São Francisco de Assis

Em 1977, Maria Stella segue os passos do pai e se torna maestrina adjunta da Orquestra Ribeiro Bastos, sob regência titular de seu irmão, Dr. José Maria Neves.

O ano de 2002 foi um ano difícil para ela, que veio a perder dois de seus irmãos: o Maestro José Maria e o Cardial Dom Lucas. As perdas lhe deram ainda mais responsabilidades. Além de assumir o posto de regente titular da Ribeiro Bastos, com todas as respectivas funções do cargo, Maria Stella foi um dos responsáveis pela fundação do Memorial Dom Lucas – um museu dedicado à memória do religioso – e, também, pela idealização e estruturação do CEREM – projeto originalmente feito por Dr. José Maria e retomado por amigos e familiares após sua morte – com o intuito de manter viva a memória e a tradição musical da cidade. Ambos localizado no coração do Centro Histórico.

Maria Stella Neves Valles foi uma pioneira em muitos sentidos. Foi a primeira mulher mestre de capela da região, a primeira a reger a Banda do 11º Batalhão de Infantaria de Montanha (Banda do Quartel) e a primeira a assumir a regência de uma orquestra na cidade. Ela possuía um estilo diferente dos homens que vieram antes: era terna e de fácil acesso, mas em alguns pontos os seguia, como na rigidez que os cargos cobravam. E foi com essa conduta que conquistou seu espaço e fez mudanças no cenário musical de São João del-Rei.

Por Brenda Guerra e João Victor Militani